terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Uma de muitas vozes pela real valorização profissional

Agora on-line no "Expresso": A professora que defende a avaliação.

8 comentários:

pandacruel disse...

Armandina vais
a velhinha, ao serviço da pátria
tens lugar no novo panteão
quero por mim sair nova
para poder nanorar num lar
na casa do povo
(Já viu a lei? Aposente-te enquanto é tempo, siga o conselho de «quem tem medo da avaliação», ou melhor, da Europa, hoje).
Dá vontade de fugir - mas para onde? Olhem, para casa. Tenho muito medo da avaliação, estou toda aflita, estou pior do que quando tive o meu moço na guerra colonial, faz tempo. Que medo! Que calores!

Gente que se digne deve desejar aqui Bom Natal e Bom Ano - como não o fizeram, faço-o eu - e não sou traidora por isso, ou lá o que é.

Saibamos ir ao essencial: a lei da aposentação é um retrocesso civilizacional, em toda a Europa! O mais, perante isso, é conversa da treta para pacóvio adormecer melhor. Trim, trrim! Somos portugueses - que adianta votar? Nada. Por vezes atrasa, confunde, baralha.

aires disse...

professor, como medico, é uma profissão q tem um elevado sentido de missão...

como me lembro dos meus, que tudo davam e com muito poucas contrapartidas,

mas um alto e nobre sentido do objecto do seu trabalho - nós, H e M de hoje...

abraço comovido a todos eles nesta senhora professora

A. Moura Pinto disse...

E ainda gostaria de saber quantos com este perfil e currículo estão do contra. Se a democracia fosse a sério, uns votos - umas tomadas de posição - deveriam valer mais que outros. Para mim valem.
Parabéns a esta professora, até porque me faz lembrar muitos do que tive, em tempos.

Anónimo disse...

Eu quero ser avaliada e na minha escola estão a criar um clima irrespirável. Quem quiser entregar OIs é visto de lado. Pior, preparam-se para fazer um plenário de professores para votar contra a entrega de OIs.
Estou no início da carreira, fiz acções de formação, fiz um mestrado que paguei com muito custo nos últimos dois anos e agora tenho de ouvir os meus colegas instalados na sala dos professores que não fizeram nada nos últimos três anos porque estavam congelados a dizer que os mais novos não percebem o que se está a passar.
Bolas, só tenho vontade de desistir de tudo. Alguém ponha ordem nisto.
E lamento, mas tenho de ficar anónima, senão amanhã sou cilindrada na escola.

A. Moura Pinto disse...

Eu já sabia, por outros comentários, que é a coisas como a relatada pela anónima que a Fenprof designa por mau ambiente nas escolas. Uns pró, outros contra, quando se pretende convencer o exterior de que todos estão contra.
Pois é!

Francisco disse...

Gostava de ouvir o comentário da anónima das 21;41 sobre a avaliação do Sócrates na Independente. Enquanto os portugueses iam à missa nesse domingo, ele ia tirar o curso. Que VERGONHA.

Não contente com isso, ainda faz o Inglês Técnico por FAX com um reitor preso por falsificação de documentos e TODAS as outras 4 cadeiras com um amigo António Morais.

Ah ... entretanto teve 26 EQUIVALÊNCIAS.
É obra!

Que EXEMPLO, que MÉRITO, que RIGOR, que EXCELÊNCIA.

Quemtemmedodaavaliacao disse...

Caro Francisco,

E se os professores cumprissem os seus deveres em vez de procurar defeitos nos outros? O que é ético é cumprir as nossas obrigações; e não as cumprirmos apenas se os outros o fizerem.

Se querem ter razão para reclamar com a ausência de cumprimento dos outros, cumpram primeiro. Isso chama-se, acho, profissionalismo.

francisco disse...

"O que é ético é cumprir as nossas obrigações".

PERFEITO. É coisa que Sócrates não faz, não fez nem sabe fazer. O EXEMPLO VEM SEMPRE DE CIMA e Sócrates não é exemplo para ninguém.
Na forma DUVIDOSA como tirou a dita "licenciatura"; como ABUSIVAMENTE utilizou o portal do governo; nos projectos municipais do amigo que ele assinou e que agora diz que os projectou também, como se alguém acreditasse no compulsivo MENTIROSO que ele é; Nos cigarros que fumou às escondidas SABENDO que não o podia fazer por uma lei que ele próprio aprovou; pela multa que não pagou por ter fumado; nas IMENSAS, DIÁRIAS e PERMANENTES MENTIRAS que diz; Na forma como protege Armando Vara que se licenciou COMO ELE; pela Sovenco que ele diz que nunca ouviu falar; .... POR TUDO E MAIS ALGUMA COISA.

Isso como diz. NÃO É PROFISSIONALISMO, é um REGABOFE do qual os professores não têm culpa.

Mais, eu sou uma pessoa cumpridora e a minha carreira académica tem sido feita de forma VERDADEIRA e TRANSPARENTE. Tenho todos os meus documentos na UPorto que nao foi encerrada compulsivamente antes que encontrassem mais algum documento comprometedor como aconteceu com a UNI e com Sócrates.
Subi ao 8º escalão com provas públicas prestadas na DREC, em Coimbra em 1994, fiz EXAMES VERDADEIROS em 1997 quando concluí o Mestrado e fui também AVALIADO em 2006 quando terminei o doutoramento.
AS AVALIAÇÕES NÃO ME METERAM MEDO. NENHUMAS e, até tive de PAGAR as AVALIAÇÔES (estou a falar do acto em si, não das propinas que isso foi outra coisa que ao que parece o Sócrates também não as pagou).

OIÇA, eu NÃO TENHO MEDO DA AVALIAÇÃO, não tive até aqui e sempre as procurei e como vê, até as paguei. Progredi com mérito.
Simplesmente NÃO ACEITO ESTE MODELO que até a própria Ministra o desacreditou ao ponto de dizer na AR que o ia "SUBSTITUIR POR OUTRO".
Aceitar este modelo é PACTUAR com um ECD INJUSTO. As razões são conhecidas.