domingo, 11 de janeiro de 2009

A via cada vez mais estreita da resistência

O decreto-regulamentar relativo à avaliação foi promulgado pelo PR e publicado no Diário da República. No parlamento, as propostas do PSD, do BE e do PEV foram chumbadas na passada quinta-feira. Isto não parece fazer diferença nenhuma para os professores, que estão a ver a via legislativa da resistência cada vez mais estreita.

Hoje, decorreu a reunião famosa reunião de Santarém com PCEs. Aparentemente, estiveram 10% das escolas do país. Mas estes PCEs representam o quê, para além deles próprios? O Conselho das Escolas tem legitimidade institucional. Este grupo de pessoas que se associaram não tem legitimidade nenhuma. O PREC está decididamente de volta.

Entretanto, o país está mergulhado numa crise social e económica impressionante. O que achará o país de dezenas de milhares de profissionais que protestam não porque vejam os seus postos de trabalho em perigo, não porque tenham salários em atraso, mas simplesmente porque não querem ser avaliados?

Uns lunáticos falam mesmo em greve por tempo indeterminado. São uns iletrados em política, vê-se. Quando o dr.Mário Nogueira vem dizer que isso seria irresponsável, está tudo dito sobre a capacidade estratégica dessa gente.

8 comentários:

Em defesa da Escola Publica disse...

Num Blog de gente que se diz professora o mínimo que exigia era que escrevessem num português escorreito...

O que quer dizer "10% de cerca de 10 por cento das escolas do país"...?

Odiana disse...

"Armando Vara promovido na Caixa depois de ter saído para a administração do BCP".
Este não deve ter medo da avaliação e está "preocupadíssimo" com a crise do país. Grande lata! Devem pensar que o povo anda a dormir :)

Quemtemmedodaavaliacao disse...

Caro Em Defesa da Escola Pública,

Tenha calma, foi um lapso. Já foi corrigido.

Anónimo disse...

E a resposta ao comentário das 19:49?

Francisco disse...

10% das escolas do país é MUITO MAIS, mas mesmo MUITO MAIS do que os 13 professores que foram recebidos pela ministra (!!!!) num universo de 150.000

Talvez fosse a estes 13 professores que a ministra disse, na célebre manifestação, que 120.000 professores estavam a chantagear

Enquanto se esforçam por encontrar 1, 2, 3, ... 13 exemplos, há 120.000 professores que saem à rua e 94% de escolas que fecham em greve.
Haja nova manifestação.
Dia 19 lá estaremos para vermos a adesão à greve. Serão certamente MUITO MAIS do que 13 professores. MUITO MAIS, mas mesmo MUITO MAIS.

Quemtemmedodaavaliacao disse...

Caro Francisco,

Esses 13 professores falam por muitos milhares no país que estão a fazer a avaliação dentro da lei. Já agora, quando a Plataforma sindical vai negociar na 5 de Outubro, também vão milhares de professores, ou menos de 2 dezenas?

Anónimo disse...

"Esses 13 professores falam por muitos milhares no país que estão a fazer a avaliação dentro da lei"

Já é um bocadinho tarde para dizerem mentiras - será que acreditam no que dizem?

Francisco disse...

Os treze no máximo dos máximos falam em nome deles.